A Mais Bela Viagem do Mundo

A Mais Bela Viagem do Mundo

 

A nossa vida dá voltas. Nunca é uma linha reta sem curvas. É uma estrada sinuosa, muitas vezes perigosa e extremamente desafiante.

Perante esta evidência, há quem insista em conduzir sempre a direito ignorando as curvas e contra-curvas que esta viagem nos reserva. Aqueles que evitam olhar para os sinais de aviso que existem para nos auxiliar e permitir conduzir de forma segura e eficaz, com a frágil esperança de que as curvas desapareçam só porque fingimos não as ver. Claro que para estes, os acidentes serão muitos e os danos potencialmente graves. Mais ainda, para estes a viagem é uma tormenta. Não conseguem simplesmente aproveitar as paisagens e as maravilhas que o caminho lhes oferece. Não retiram ensinamentos. Cometem vezes sem conta os mesmos erros. Não se tornam melhores condutores.

A culpa? É das curvas, dos engenheiros, do carro, dos passageiros, dos outros condutores, da metereologia. Nunca é deles. Nunca é da sua atitude negligente em relação à vida.

 

Esta estrada de que falo é também bela.

 

Nela existem as melhores paisagens, os melhores locais, os melhores monumentos para cada um. Quanto melhor soubermos conduzir mais à vontade nos sentimos e melhor aproveitamos. Se conseguirmos retirar todas as lições que nos são dadas por cada uma das curvas e obstáculos então seremos cada vez melhores no domínio do nosso automóvel. E esta mestria aumenta a nossa confiança e permite que retiremos o melhor de cada momento.

Ao invés disso, quem conduz com medo, nervoso e ansioso, não conseguirá gozar as diversas etapas. Tudo é um problema. Tudo é grave. Tudo é custoso.

 

A prioridade é aprender e perceber o que correu mal

 

Durante a viagem, os problemas surgirão. Um pneu que rebenta, um buraco na estrada e até colisões com outros condutores. Há quem coloque carga demais no seu carro e quem não se preocupe em mantê-lo em forma, com os níveis adequados de óleo, combustível ou pressão nos pneus.

Há tempestades, ventos sinuosos e cortantes, tremores de terra, neve na estrada. Há estradas de terra, de alcatrão, vias rápidas, pontes estreitas e outras largas. Filas de trânsito para chegar ao nosso destino. Portagens que temos de pagar se quisermos passar. Tudo uma aprendizagem. Tudo um crescimento.

São muitos os cruzamentos e escolhas que teremos de fazer. Uns caminhos são os melhores para nós, outros nem por isso. Mas a escolha é sempre nossa. Podes até escolher encostar à berma e não avançar. Mas rapidamente perceberás que a vida te passou ao lado.

Ultrapassamos uns e somos ultrapassados por outros. Às vezes temos de acelerar e noutros casos reduzir ou até parar temporariamente para decidir melhor. Se tivermos um acidente (e é provável que venhamos a ter até mais do que um), a prioridade é aprender e perceber o que correu mal.

Podemos pedir um reboque, chamar o mecânico, para que o nosso carro se restabeleça e possamos continuar a viagem mais maduros e conscientes. Aliás, a ajuda dos outros é fundamental. Não estamos sozinhos na estrada e podemos aceitar ajuda e também nós ajudar. Quanto mais o fizermos mais apoio teremos e mais longe chegaremos. O respeito, a tolerância, a confiança e a amizade e amor, são fundamentais.

 

Não há mesmo volta a dar

 

Finalmente esta estrada é também única. Porque é de sentido único. Não permite inversões de marcha. O caminho que cada um percorre não pode repetir. Só se passa por um local uma vez e a oportunidade de o vivenciar e disfrutar só nos é dada uma vez. Felizmente a estrada é rica e cheia de novas belezas e maravilhas para vivenciar. Saibamos nós aproveitar.

 

Faz-te à estrada!!

 

O teu Coach,

David Nascimento

 

 

 

Deixe um comentário